terça-feira, 20 de setembro de 2016

A grande decisão: É medicina mesmo?

vestmed.tumblr.com

    Olá meus amores bem vindos a mais um post aqui do blog! No post de hoje vou fazer mais ou menos um depoimento sobre a escolha da faculdade, os meus medos, meus sonhos, minhas metas. Comecei lá no CANAL uma série chamada Diário de Vestibulanda, onde estou contando minha trajetória até aqui e dando dicas. Então, se você está passando pela mesma fase que eu, da escolha da profissão que vai levar pro resto da vida, dá uma lidinha no que vou dizer pra você!

    Desde pequena sempre ouvi que era capaz. Eu sempre ouvi que podia, nada me foi negado, a vida era livre e solta para fazer como eu quisesse. Mas mesmo assim eu nunca me distanciei do sonho da faculdade, seria assim e deu. Uma escola cheia de regras, desde pequena com aquele mesmo ensinamento: escola e depois faculdade. Nunca me foi dito que poderia fazer um cursinho, optar por fazer outra coisa da minha vida, não, sempre foi a faculdade. E então com dez anos, ainda pequena demais eu escolhi: Seria Arquitetura e Urbanismo.

grupodeestudos.tumblr.com

    Depois de crescida era fácil focar naquilo que eu queria, era fácil focar na minha Arquitetura, era uma paixão minha, e nada nem ninguém poderia roubar isso de mim. Eu me sentia segura daquela maneira, como se ninguém conseguisse me destruir. Eu me sentia segura para ser chamada de "a mais inteligente da turma", eu liderava, eu tendia a ser a melhor, porque eu tinha o meu foco, porque eu tinha escolhido Arquitetura.
    E no Ensino Médio veio a dúvida, a incerteza, sempre que alguém me falava "Tu queres Arquitetura, né?", eu apenas balançava a cabeça, como se aquilo fosse mais uma obrigação e não somente um sonho pelo qual eu correria atrás. Era Arquitetura porque eu sempre falei aquilo, porque as pessoas confiavam demais em mim para dizer o contrário, porque eu sempre fui aquela pessoa certa para saber o que fazer desde os dez anos de idade.

medicinestuff.tumblr.com

    Não foi influência de série, apesar de eu gostar muito, não foi influência de pessoas. A verdade é que eu não me achava capaz de fazer Medicina. Eu não me achava capaz de quando as pessoas perguntassem responder "Eu vou fazer Medicina", eu sabia que aquilo não era o que as pessoas queriam ouvir de mim, aquela não era a minha certeza. Mas aí veio aquele sentimento que eu sempre tive, de liderança, de poder ajudar, de acreditar que as pessoas poderiam confiar em mim para ajudar. Ajudar.
    Existem pessoas que desde pequenas já dizem. Existem pessoas que desenvolvem essa vontade durante toda a vida, mas uma coisa é certa: Hoje, eu não me vejo no futuro sem um bisturi na mão. Hoje, eu sei que sou capaz, e hoje eu sei que esse é o meu sonho. Passei por tudo que as pessoas disseram, desde minha mãe dizendo "É só por causa da série" até ao meu pai dizendo "Você não vai conseguir". Mas sim, hoje eu sei que sou capaz, que posso me superar e vencer meus medos a cada dia, que eu vou conseguir e no final eu vou dizer "Realmente eu sou capaz!".

medicina amor/Pinterest

   Então você aí, que leu até o final, não fique com medo do que a sua família vai dizer, do que seus pais vão dizer. Não fique com medo de as pessoas falarem que foi influência disso ou daquilo, somente faça, se joga e vai. Se a iniciativa não for nossa, não será de ninguém.

    E com esse mega texto eu me despeço de vocês por hoje, deixando a mensagem de que eu posso e você também pode mudar o rumo da história. E respondendo ao título, sim, é Medicina mesmo.

PS.: Não achei como tirar fotos legais para esse post, então todas elas são do Tumblr/Pinterest, com seus devidos créditos. Se uma dessas fotos for sua por favor mande e-mail para: vicky_valeriano@hotmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário