terça-feira, 18 de outubro de 2016

Resenha: Cartas de Amor aos Mortos


    Olá meus amores, bem vindos a mais um post aqui do blog! Hoje vou fazer uma resenha (faz tempo que não faço uma por aqui, né?) de um livro que li em setembro, e me encantou muito. Eu leio bastantes livros, então não tem como resenhar todos, mas CARTAS DE AMOR AOS MORTOS me tocou muito, e senti que precisa mostrar pra vocês o porquê.

ENREDO: Cartas de Amor aos Mortos conta a história de Laurel, uma menina que acaba de perder a irmã mais velha, a quem era muito ligada, e então decide mudar de escola para tentar superar a situação. A vida de Laurel não é nada fácil, com a separação dos pais ela acaba tendo que lidar com várias confusões de sentimentos sozinha, e isso não é nada legal.
    Na nova escola ela faz vários amigos e conhece Sky, um garoto que a encanta mesmo de longe. E os dois começam a desenvolver um romance lindo, porque ele tem todo aquele jeito de garoto meigo e de namorado perfeito. Mas isso não significa que não tenha problemas, e Laurel acaba descobrindo que não é só a sua vida que tem problemas. A personagem tem uma história de luta e superação durante o livro.

jaquelinelima.com

    O diferencial desse livro, e o que me fez gostar MUITO dele, é que ele é escrito em cartas. Inicialmente eu achei que as cartas faziam parte, mas existia um texto à parte. Mas não galera, ele é escrito todo em cartas, e o leitor entende a história a partir dessas cartas, nas quais Laurel conta, inicialmente para um trabalho de escola, aos seus ídolos mortos, como está sendo sua vida depois da morte da irmã.

    Até a metade do livro, aproximadamente, a história é bem rasa e superficial. Achei a Laurel um pouco chatinha, como se ela não quisesse se abrir para o mundo, afinal a morte de um parente próximo (tão próximo) é ruim, mas não ao ponto de se isolar. Isso me fez demorar um pouco para ler o livro, já que quando a leitura não é tão emocionante não conseguimos aproveitá-la tanto assim. Mas essa é minha dica para o começo do livro: não desista.

jaquelinelima.com

    A partir de um certo ponto, a protagonista começa a se abrir. Achei esse um ponto muito interessante da escrita de Ava (é o primeiro livro que leio dela), porque apesar de antes ela tentar (e conseguir, de certa maneira) esconder todos os fatos sobre a personagem, com o envolvimento de Laurel com os problemas pessoais dos amigos, ela acaba contando os seus próprios dramas, e isso é essencial para o leitor entender porque ela é tão guardada, e não se abre muito nem em cartas que jamais serão lidas.

    Considerei também o fato de que, a partir desse mesmo ponto, o relacionamento dela com as pessoas começa a melhorar. Apesar de eu achar que até o fim do livro não é muito certo o relacionamento dela com a mãe, o mesmo com o pai e os amigos acaba sendo um porto-seguro, para ela agarrar antes de desmoronar. Laurel cresceu como pessoa desde a primeira página até a última, e Ava Dellaira conseguiu ligar o tempo psicológico muito bem ao tempo cronológico.


    Foi uma leitura que acresceu muito para mim como pessoa, porque quando o leitor está cara a cara com a situação de Laurel, acaba sendo incontestável entender o porque do jeito inicial dela. Já vi pessoas dizendo que ficaram com dó, mas antes de saber a real história, confesso que comigo não foi desse jeito.

    Indico para todos que tenham um emocional gigante, porque é um livro forte, com uma história forte, porém uma protagonista forte. Você vai crescer como pessoa, você vai enxergar certas situações de um jeito diferente e também vai entender por que elas acontecem.


    Comentem aqui em baixo o que acharam, se já leram ou têm vontade de ler! Um beijo e até quinta <3


*Eu ainda estou me adaptando às fotos quando leio livros em ebook, então procuro sempre colocar os créditos nas fotos. Mas se eu não coloquei e a foto for sua, me avise pelos comentários ou no meio email (que está em CONTATOS) que eu coloco os devidos créditos


Nenhum comentário:

Postar um comentário